Negócios pequenos também precisam de plano de negócio

Montar um negócio, seja ele o mais simples que pareça ser, sem dedicar um momento de planejamento, para fazer um plano de negócio é a forma mais rápida e garantida de fracassar em seu empreendimento, no bloco de notas de hoje trago este exemplo.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Cachorro-Quente, um dos negócios mais procurados para renda extra ou até mesmo como primeiro negócio, e por isso é muito comum ver inúmeros carrinhos espalhados em locais de eventos, praças ou ruas de bairro.

Eu e minha família somos fãs de lanches nos finais de semana e cachorro quente é o mais comum quando não estamos disposto a passar muito tempo fora de casa.

Recentemente, um casal jovem montou seu primeiro negócio na porta de casa, claro que optarão por cachorro quente. A casa é bem localizada, pois fica em uma esquina muito movimentada, na intercessão da entrada do bairro com a rua principal, ao lado de duas igrejas grandes e movimentadas, em um local muito residencial, outras opções estão distantes. Claro pensaram ser a grande ideia, e seria se tivesse feito um plano de negócio e observado alguns detalhes.

Primeiro erro: o rapaz, proprietário do cachorro quente possuía uma fiorino, estas com bagageiro fechado e estacionava exatamente em frente ao seu carrinho de cachorro quente, desta forma, perdeu todo efeito que o ponto privilegiado lhe dava, pois o carro impedia totalmente a visibilidade do seu negócio.

Segundo erro: não é atoa que este tipo de lanche rápido não vende por cartão, eles não levaram em consideração a Taxa de administração, o percentual pago por operação e ainda, o principal problema, fluxo de pagamento. Em média, os recebimentos em cartão são liberados para saque dentro de 45 dias após a venda, conforme o fluxo fechando com a operadora, caso precise do dinheiro antes deste prazo pagará uma salgada taxa de aproximadamente 10%. Bom, não pensaram nisso e faltou folego financeiro.

Terceiro erro: para criar um diferencial ofereciam um copo coca-cola grátis para acompanhar, pois observaram que no mercado quando ofereciam, eram apenas refrigerantes de segunda linha. Bom a questão é que, por falta de plano de negócio, eles compravam o refrigerante no varejo, em média pagavam R$ 6,00 na garrava de 3litros, mas não tinham dinheiro para comprar a quantidade necessária, e o refrigerante acabava no meio expediente, forçando eles a comprar novamente para atender seu público, porém agora com supermercado fechado compravam em um “boteco” no bairro por R$ 10,00, e não percebiam que o lucro era consumido.

Quarto e pior erro: a teimosia, talvez por excesso de vaidade, ao comer lá um dia vi um cliente falando sobre o carro, e um determinado dia, por ele sentar ao meu lado e puxar um papo tomei a liberdade de perguntar como faziam com fluxo de caixa para ter folego de atender com cartão e sobre a possibilidade de manter o carro na porta a resposta era que estava tudo sobre controle e que não concordava que o carro prejudica o negócio, pois havia uma faixa para informar as pessoas, na verdade só nesta hora percebi que existia a tal faixa, e olha que passo lá pelo menos 6 vezes ao dia, pois está no meu caminho.

RESULTADO? quebraram com menos de 3 meses, não tiveram dinheiro para comprar os insumos para fazer seus produtos e ao receberem da operadora, fizeram as contas e estavam com muito menos dinheiro que quando começaram, sem folego financeiro passaram o negócio para o Tio que já resolveu o primeiro problema, o segundo ainda não e o terceiro, ao perguntar para ele falou que está providenciando a maquininha de cartão… bom vou acompanhar, não quero que quebrem pois é a opção mais próxima da minha casa.

 

Até Breve

Sua empresa precisa vender mais?

Conte com a EMGE!

Líder nacional em Gestão Comercial Profissional e Terceirização de forças de vendas, atendemos as necessidades comercias de empresas de todos os portes e atuações, de maneira individual ou integrada.